Roteiro de Santiago: 5 Dias

8 de setembro de 2019
Destinos Internacionais

Fala, viajante! Estivemos no Chile recentemente e fizemos a dobradinha: Santiago e Patagônia Chilena.

Nesta matéria vamos falar só de Santiago! Bom, ficamos 05 dias na capital chilena e esse período foi o suficiente para curtir demais o que a região tem a oferecer, mas caso queira ficar mais tempo, saiba que tem atrações suficientes para uma permanência de 7 dias, ok?!

É importante frisar que o Chile já esteve com muita neve anos atrás, mas, infelizmente, por conta do aquecimento global, já não se vê uma quantidade expressiva nas Cordilheiras. Como fomos no inverno, pegamos temperaturas baixas, que chegavam a 2 graus pela manhã/madrugada. Durante o dia, não há uma temperatura média, pois a mesma oscila demais. Se no período da manhã pegávamos, por exemplo, 5 graus, à tarde, na hora do almoço, a temperatura já ia para 16/20 graus. Então vá [email protected] para o famoso “tira casaco, bota o casaco” rs!

Em relação ao voo, fomos pela Emirates saindo do Rio de Janeiro. Pegamos uma tarifa promocional, com voo direto (duração de 4:15 min), super tranquilo e confortável, oferecendo bagagem despachada (importante para a época que fomos, pois foi preciso levar roupas pesadas!), e com um bom serviço de bordo (computador de bordo individual e comida servida excelente. A única ressalva é a simpatia  de alguns dos comissários que deixa um pouco a desejar, mas ok!).

Chegando em Santiago, o aeroporto internacional fica localizado na comuna de Pudahuel, um pouco afastado dos pontos de interesse. A distância entre o aeroporto e o centro da Capital Chilena é a de aproximadamente 20 km (25 minutos de carro). Está pensando em chamar um Uber? Então, temos que te informar que o aplicativo ainda é “ilegal” no Chile, isso quer dizer que se a polícia chilena parar o carro que você está (até mesmo no seu desembarque), tanto o motorista, quanto o passageiro são multados, então vai de cada um querer arriscar (nós utlizamos, rs).

Mas então como faço para sair do aeroporto? Para chegar em sua hospedagem há algumas opções:

Ônibus “Centropuerto”: (ônibus azul): trajeto do aeroporto até a região central – parada final na estação de metrô “Los Héroes”. Saídas a cada 10/15 minutos. Duração: cerca de 1h. Valor: 1.800 Pesos Chilenos (somente ida) e 3.200 Pesos (ida e volta).

Ônibus “Turbus”: (ônibus verde): trajeto do aeroporto até a região central – parada final na estação Universidad de Santiago (Terminal Alameda). Saídas a cada 20 minutos entre 5h e 0h, e a cada 60 minutos durante a madrugada. Duração: Entre 45 min à 1h. Valor: 1.600 Pesos Chilenos (somente ida) e 2.800 Pesos (ida e volta).

Transfer compartilhado ou individual: As empresas Transvip e Transfer Delphos oferecem o serviço de minivans que te levam até a porta do hotel. O serviço custa de 8.000 Pesos Chilenos (compartilhado) até 20.000 Pesos Chilenos (individual). Pode ser comprado na hora (toda hora sai van) ou então reservado diretamente no site da empresa.

Táxi: Os preços são tabelados e um pouco mais caro que as demais opções. A corrida gira em torno de 20.000 CLP. Todas funcionam 24 horas por dia, possuem balcões no desembarque e pegam os passageiros na saída do primeiro andar. Há outras pessoas que te abordam oferecendo serviço de transfer, mas tome cuidado, pois muitas delas não são credenciadas.

Quando a gente chega no destino já queremos sair para conhecer o lugar, não é? Mas fique atento ao horário de chegada no seu hotel, principalmente se no outro dia você fará algum passeio em Santiago, pois geralmente as agências de turismo buscam os passageiros bem cedo (por volta de 6:00 – 6:45, a depender do local que você esteja hospedado). Mas se você preferir alugar um carro, a parte boa é que terá horários mais flexíveis e, a depender do quantitativo de pessoas, sairá mais barata esta opção.

Um belo registro do Centro de Santiago num fim de tarde!

São muitas opções de passeios em Santiago e nas redondezas. A depender da época, os passeios podem se tornar mais interessantes. Como assim? Se você estiver indo no verão, os melhores passeios são na região das vinícolas (época que as parreiras estão bonitas e carregadas de uvas) e na região do Pacífico, como Val Paraíso e Viña del Mar. Já se estiver indo no inverno, época que há maior procura pelo Chile, os melhores passeios são aqueles que possui contato com a neve, como Farellones, Valle Nevado e Portillo (época que você encontrará a Cordilheira com neve, um visual diferente do que encontramos no Brasil).

Fizemos nossa planilha de gastos e gastamos exatamente o que esperávamos. A partir disso, já sabíamos o quanto precisaríamos em pesos. Falando em dinheiro, trocamos boa parte dos pesos já no Brasil (quase tudo!). Alguns amigos tinham visitado recentemente a cidade e informaram a média da cotação pesos x real (já estávamos acompanhando também pela internet).

Antes de viajarmos, fizemos cotações com diversas agências de câmbio, até encontrarmos alguma que conseguisse uma boa cotação (pelo menos a mesma que estava tendo em Santiago). E não é que encontramos? A maioria das pessoas falam em trocar o dinheiro quando já estiver lá. De fato, é uma boa opção. Mas nada melhor do que já ir com boa parte do dinheiro trocado e não precisar se preocupar com isso no destino, não é mesmo? Mas para que isso seja vantajoso, é necessário pesquisar bastante para que você não saia no prejuízo.  A cotação (agosto 2019) em Santiago variava de 160 a 170 pesos a cada real. Conseguimos a cotação de 170 CLP para 1 BRL já com IOF.

Bom, vamos falar do roteiro? Nesse post sugerimos a você um roteiro de 5 dias em Santiago no inverno, em que estão incluídas as principais atrações da cidade.

1º DIA: LAGUNA DEL INCA – PORTILLO

Inicialmente, quando planejamos nosso roteiro, havíamos colocado o famoso passeio ao Cajón del Maipo e Embalse el Yeso. Mas devido ao acidente em junho de 2019, as agências de turismo substituíram este passeio pela visita à Laguna del Inca. Fechamos com a Chile Explorer cujo guia Renato Moreno nos deu todo o suporte necessário para que nossos passeios pelas redondezas chilenas fossem incríveis. O valor deste passeio foi 35.000 CLP por pessoa. Duração: 9h.

OBS: se estiverem indo ao Chile, entrem em contato conosco (por aqui ou pelo nosso Instagram), pois temos CUPOM DE 10% DE DESCONTO, junto à Chile Explorer, para nossos leitores.

A Laguna fica localizada em Portillo, que é uma das principais estações de esqui do Chile e conta com um resort dentro do parque de neve. Possui toda uma infraestrutura de atendimento ao visitante, obtendo banheiros e água gratuita aos visitantes. Há opção de almoçar no restaurante do hotel.

Portilho fica a 164 quilômetros de Santiago e até chegar na parada final, o passeio passou por alguns pontos. A primeira parada foi num local para alugar botas e roupas de frio. Neste lugar havia um café regional servido em sistema de buffet ou somente opção de bebida. Não alugamos roupa e nem bota, pois já havíamos comprado tudo o que precisávamos, no Brasil.

A segunda parada foi no mirante localizado na estrada Caracoles. Surreal a vista que se tem lá de cima. Você percebe o quão sinuosa é a estrada, e o motivo de ser uma das mais perigosas do mundo, pois precisa de muita atenção às curvas!

Vista da Estrada Caracoles.

A terceira parada, que foi rápida, conhecida como “o Caminho dos Incas”, aos pés da Cordilheira, foi para ter o primeiro contato com a neve. Uma pena não ter tanta neve como se tinha há alguns anos.

Bom, seguindo o trajeto, paramos na fronteira entre o Chile x Argentina para tirar foto na placa e admirar um pouco a paisagem. Aqui, já é possível sentir bastante frio (sensação térmica negativa!). Dali até o ponto principal do passeio são 5 minutinhos.

Fronteira entre Chile e Argentina.

Chegamos na esplendorosa Laguna del Inca. Como pode ver na foto, estava linda, com as montanhas nevadas, fazendo um belíssimo contrate. Pode tirar fotos dentro do restaurante e no espaço ao lado do resort! Ficamos lá por cerca de 1h e 30 min.

Laguna Del Inca – Portillo.

Na volta, paramos num vilarejo em Valparaíso, para comer uma deliciosa comida caseira (8.000 CLP) em sistema de buffet, com direito a uma bebida (incluído vinho). Explore o local, pois há uma plantação de oliveiras ao lado do restaurante, e claro, registramos algumas fotos!

Azeitonas das plantações de Oliveira.

Importante informar que no fim do outono e no início da primavera ainda é possível ver neve em Portillo, porém a temporada de esqui está fechada. A parte boa desta época é que permitem chegar próximo da Laguna del Inca!

Ir a Portilho foi uma experiência única e que renderam lindas fotos e ótimas lembranças. É uma ótima alternativa de passeio tendo em vista que o acesso a Embalse el Yeso está fechado por tempo indeterminado.

2º DIA: FARELLONES

Apesar do transfer incluir no mesmo passeio Farellones + Valle Nevado, o nosso 2º dia do roteiro foi dedicado só à Estação de Esqui Farellones. Como somos iniciantes na prática de esqui e queríamos também brincar nas atrações de neve do parque, preferíamos dedicar um dia inteiro num só parque, então decidimos não fazer o Valle Nevado. Essa decisão varia de acordo com cada um. O Valle Nevado é indicado para aqueles que já possuem experiência em esportes de neve ou aqueles que buscam aproveitar o dia de neve (curtir o momento). Já Farellones é indicado para aqueles que querem brincar na neve e se arriscar a esquiar (a pista de esqui é para iniciantes).

A forma mais fácil, prática e segura de conhecer essas estações é contratando um transfer, pois até chegar em Farellones são 40 curvas íngremes e sinuosas (até o Valle Nevado são mais 20 curvas). Antes de chegar no parque, o transfer parou numa loja de aluguel de roupas e equipamentos. Se for praticar esporte na neve, não há necessidade de alugar os equipamentos no “rental”, compre o combo oferecido pelo próprio parque, pois já inclui o aluguel do equipamento (sai bem mais barato do que fazer separadamente). Outra dica é ficar [email protected] ao dia promocional. Incluímos no roteiro o dia da promoção, que no caso foi quinta-feira, e pagando com o cartão Visa, a entrada do parque saía com 50% de desconto e o combo a 30%.

Novamente, a Chile Explorer (valor do Transfer: 25.000 CLP por pessoa) nos ajudou para aproveitar o parque da melhor forma, dando a dica de começar pela parte de cima. Isso porque amamos aventura e não poderíamos deixar de começar pelas tirolesas (sim, são duas! Uma de 180m e outra de 540m) para se chegar à parte média do parque. Pegamos o teleférico para deixar na parte inferior do local (onde ficam diversas atrações e as aulas de esqui/snowboard).

A pista de Esqui de Farellones.

Sobre a aula de esqui: primeiro você passa para pegar os equipamentos e depois deixa suas coisas num locker alugado (5.000 CLP). Nossa dica é deixar com um dos rapazes que te ajudam na retirada dos equipamentos (cobram 3.000 CLP). Fique [email protected] ao horário da aula, pois eles são bastante criteriosos. As primeiras instruções duraram cerca de 1h e depois partimos para aventura. Fomos tão bem, que no final já estávamos na parte superior da pista de esqui e se jogando lá de cima! Foi uma experiência única! (Queremos praticar snow da próxima vez).

Após a aula, devolvemos os equipamentos (ufa, que alívio retirar aquela bota pesada de esqui!) e fomos comer um lanche rápido e beber água (2.000 CLP). Tudo muito rápido para aproveitarmos as demais atrações do parque, pois nossa van iria sair às 15h.

As principais atrações do parque são: Trineo (uma espécie de ‘esquibunda’), Tubing (boia com capacidade para até 6 pessoas que desce 250m no gelo), Tirolesa, Teleférico, Fatbike (bicicleta feita especificamente para a neve), mini parque para crianças, entre outros.

O Preço do parque e suas promoções: você pode conferir aqui (https://www.parquesdefarellones.cl/ticket/)

Melhor época para visita: o período de neve nas estações de esqui de Santiago é entre o final de junho e o início de setembro. Durante a temporada de esqui é possível praticar atividades como esqui e snowboard. Mas fora da temporada de esqui também é possível visitar as estações, já que elas oferecem diversas atrações aos seus visitantes, sendo também conhecidas pela gastronomia e por suas belezas naturais.

3º DIA: REGIÃO CENTRAL DE SANTIAGO

A região central de Santiago tem muitos atrativos ao turista. Neste dia é fundamental ter acesso à Internet para recorrer ao “Google Maps”. Iniciamos nosso passeio pelo Paseo Bandera (ou Calle Bandera): conhecida como a “Rua colorida de Santiago”. As pinturas começam pelo túnel que atravessa a Alameda e ao sair deste local repare na arquitetura dos prédios. Já na esquina com a Calle Agustinas a arquitetura já muda. Essa rua é conhecida por ser a rua das casas de câmbio e se estiver precisando trocar dinheiro, aproveite para trocar no local. Continuando pela Calle Bandera, passe pelos totens que estão espalhados pela rua e tire bastante fotos na rua colorida. Siga caminhando e no final da rua você verá o Museo de Arte Precolombino e o Tribunal de Justiça (entrada gratuita)

Registro do túnel que corta o Paseo Bandera!

Aproveite que estará no centro e caminhe até a Plaza de Armas. A praça principal do centro de Santiago é grande, arborizada e está rodeada por diversas construções históricas, como o prédio dos Correios e o Museu Histórico Nacional. Por lá você também encontrará a Catedral Metropolitana (entrada gratuita) e um espaço aberto para tirar foto na placa STGO.

Continue caminhando até o Mercado Central. O local é uma boa opção para sentir os cheiros, degustar a culinária chilena e comprar suvenirs. Se você gosta de frutos do mar, vai se encantar com os restaurantes locais (só prepara para gastar, pois os preços nos restaurantes do mercado são para turista, rs). Indicamos experimentar as empanadas chilenas vendidas ao lado do mercado, são deliciosas e com preço justo.

Mercado Municipal de Santiago!

Bom, está cansado de andar? Ainda não acabou o “tour” pelo centro. Ao sair do Mercado Central, fomos ao Cerro Santa Lucía. Você poderá ir andando, são cerca de 2 km, ou pegar o metrô ou Uber. Este Cerro é um morro localizado na região central de Santiago de onde tem uma linda vista da cidade. Vale muito a pena caminhar por lá e subir até o mirante localizado no ponto mais alto. Para chegar ao topo do cerro é preciso encarar escadas e rampas.

Aproveite para conhecer o Barrio Lastaria, que possui construções de estilo europeu. Por lá você encontrará vários restaurantes, sendo um bom destino para almoçar. Os Museus de Bellas Artes e de Artes Visuais ficam nessa região, então aproveite para visitá-los. Na saída, caminhamos pelo Parque Florestal que fica bem próximo dos museus.

4º DIA: REGIÃO CENTRAL DE SANTIAGO E CONCHA Y TORO

Nosso 4º dia foi dedicado também à região central. Iniciamos nosso passeio pela troca de guarda (dura cerca de 40 minutos – verifique no site do governo chileno o dia e a hora, pois variar). Em 2019: acontece a troca nos dias pares nos meses janeiro, abril, maio, agosto, novembro e dezembro e nos dias ímpares, os demais meses. Após, realizamos a visita guiada ao Palacio de La Moneda (gratuita e com agendamento online). O Palacio de La Moneda é um prédio histórico onde no passado funcionou a Casa da Moeda do Chile e hoje é a sede do governo chileno. A visita interna ao Palacio foi muito interessante e recomendamos demais!

Fachada do Palacio de La Moneda.

De lá, pegamos um Uber e fomos ao famoso Barrio Paris-Londres: um verdadeiro cantinho da Europa dentro de Santiago! Esse ar europeu se restringe a duas ruas: a Calle Paris e Calle Londres. Aproveitamos para almoçar no La Piccola Italia, já que tínhamos visto boas recomendações e fomos surpreendidos com a rapidez, qualidade da comida e o preço justo cobrado pelo restaurante (#recomendamos).

Como estávamos com o tempo apertado, almoçamos rapidinho (em 10 minutos o prato estava pronto!) e marcamos com o transfer da Chile Explorer para nos buscar no local e seguir para a vinícola Concha y Toro. Há duas opções oferecidas pelas agências de turismo: tour pela manhã ou pela tarde.

O trajeto de Santiago até a Concha y Toro levou cerca de 1h de van. Esta vinícola é uma das maiores produtoras de vinho do mundo e é a maior do Chile. Por ser tão grande, seus tours são muito procurados e feitos em grupos grandes. Há horários com tour feito em língua portuguesa, mas fizemos em espanhol mesmo (o guia falava devagar e deu para entender perfeitamente).

Há dois tipos de ingressos oferecidos pelas agências (você poderá comprar no local ou online, caso vá de carro particular): o tour tradicional (25.000 CLP) e o tour exclusivo Don Melchor (40.000 CLP). Além dos valores, a diferença é que o primeiro possui degustações de 3 vinhos, já no segundo são 7, mais degustações de queijos e no fim, se ganha a tábua de frios. Em ambos é dada como cortesia uma taça de vinho personalizada da vinícola. 

Durante o passeio conhecemos a história e os detalhes da vinícola, além do processo de fabricação, os locais de armazenamento dos vinhos, a história do Casileiro del Diablo (um dos vinhos mais renomados da vinícola). Houve algumas paradas para degustações (vinhos brancos e tintos) e por fim a parada na “wine shop”. O tour tradicional dura cerca de 1h.

Melhor época para visitar: primavera (final de setembro a início de dezembro), onde as parreiras estão carregadas de vinhos e o calor ainda não está tão intenso.

5º DIA: CERRO SAN CRISTÓBAL, PÁTIO BELLAVISTA E COMPRAS

Este dia representa o último da viagem (o nosso 8º dia no Chile), quando retornamos da Patagônia e iríamos voltar para o Rio de Janeiro. Então, tivemos algumas horas para poder aproveitar a cidade. Pela manhã tiramos para fazer compras nos mercados locais: Santa Isabel, Mayorista (espécie de atacadão) e Jumbo. Por lá encontramos ótimos preços de vinhos, queijos e chocolates – vale a pena ir! O restante do nosso dia, separamos para conhecer o Cerro San Cristóbal e aproveitar o melhor “happy hour” da cidade no Pátio Bella Vista.

Para chegar ao Cerro, pegamos o metrô L1 (Linha Vermelha – “Los Domínicos”) e descemos na Estação Baquedano. Atrevessamos a Plaza Itália e caminhamos até o final da Calle Pio Nono, 450 para subir de Funicular.

Estávamos na dúvida entre acompanhar o pôr do sol do Sky Costanera Center (o prédio mais alto da América Latina) ou do Cerro San Cristóbal. Como já tínhamos ido ao Chile no verão e não havíamos incluído este Cerro, pois havia tido uma queimada recentemente, decidimos ir desta vez, pois vários amigos já o visitaram e fizeram muitos elogios.

Com toda a certeza foi a melhor coisa que fizemos! Chegamos aos pés do morro por volta das 16h – subimos e descemos de furnicular, uma espécie de bondinho em um plano inclinado. O valor é de 2.000 CLP por pessoa (ingresso de ida e volta). Há opção de subir de furnicular e descer de teleférico (a saída do teleférico fica próximo do Sky Costanera Center, então se quiser aproveitar e visita-lo é uma boa opção – valor do ingresso de acesso ao prédio 15.000 CLP). Após o pôr do sol, descemos do Cerro e fomos em direção ao Pátio Bella Vista para aproveitar o “happy hour” (17 – 21h). Durante esse período os restaurantes costumam oferecer promoções e algumas comidas diferentes do cardápio, então vale a pena aproveitar!

Tem mais tempo em Santiago?

Indicamos que você inclua no seu roteiro o Templo Bahai, que é uma casa de oração, um lugar que oferece um espaço para a contemplação espiritual e um lindo jardim.

Além disso, caso vá no verão, não esqueça de incluir as cidades de Val Paraíso e Viña del Mar. Falamos desta estação para você aproveitar melhor e mergulhar nas praias do Oceano Pacífico.

Na nossa próxima viagem ao Chile, queremos incluir alguns dias em Mendoza, Argentina, que são cerca de 5h de carro da capital chilena. Para atravessar a fronteira, é preciso ficar [email protected] às exigências legais.

Se for amante de vinhos e tiver mais tempo, inclua outras vinícolas da região, como: Viña Casa Blanca, Viña Undurraga, Viña Santa Rita e Viña Cousiño Macul.

Como falamos, aproveitamos nossa viagem à Santiago para conhecer outra região. Optamos por incluir a magnífica Patagônia Chilena (faremos um post exclusivo), mas há outras regiões chilenas muito interessantes, como: Deserto do Atacama, Pucón e Ilha de Páscoa.

Nossa indicação dos 4 melhores restaurantes que conhecemos: La Piccola Itália, Galindo (preço justo e o melhor pastel de choco que comemos), El Giratório e El Palacio de la Chorrillana (melhor Chorrillana que comemos).

Ficou alguma dúvida sobre Santiago? Escreva para gente que teremos toda a satisfação em te ajudar.

Um abraço,

#SeLiganoRoteiro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Open chat
1
Olá, podemos te ajudar?